Casa Fernanda, 2016.

Casa Fernanda, é uma casa linear, com soluções claras, o percurso é continuo, através de uma galeria de circulação que conecta a porta de entrada até a piscina de fundo, sem intervenções, no caminho temos do lado esquerdo as portas de acesso aos quartos e lavabo e do lado direito umas portas de correr de vidro, que fazem o papel de paineis, mostrando assim a integração com o paisagismo, o por do sol e visuais livres do entorno.

A garagem esta feita num volume exterior, virtual, feito em cobogó e sem portas, deixando assim os carros num abrigo relativo. 

A casa é de materiais honestos, com concreto aparente, vidro e cobogó.

A solução volumétrica é clara, são dois planos, um do piso que é suspenso do chão e outro do teto, linear. A porta de entrada mostra um volume maior, que da hierarquia à fachada e esconde as instalações técnicas, como caixa de agua e maquinas de ar condicionado. 

Na lateral, a casa mostrasse aberta, toda em vidro e portas que permitem o usuário controlar a conexão com o exterior. Esta casa privilegia o conforto térmico, iluminação natural, ventilação cruzada, ambas claramente identificadas na solução formal.

A piscina marca o final do percurso, ela é de um tamanho reduzido, tal como a família que habita à casa. Um casal feliz e um cachorro.

Quanto ao design interior, é também austero, solucionando as atividades sociais num espaço só, que condensa a sala de estar, que por sua vez é sala de TV, com jantar e a cozinha aberta. Todo o mobiliário é assinado pelo Estúdio Bola, um nome importante no design brasileiro. 

 

Local: Brasília, DF, Brasil.

Arquitetura: 1:1 arquitetura:design (www.umaum-arquitetura.com)

Autores: Eduardo Sáinz e Lilian Glayna

Fotografia: Edgard Cesar. (www.edgardcesar.com)

Área interna: 155 m2. 

Área total construída: 244 m2.

Ano conclusão da obra: 2016.

 

EN

Casa Fernanda is a flat, linear and light house. The visitor makes a continuos route from the front door to the pool at the end of the house. The left side have access to the bedrooms, toilet, etc. And to the right side are sliding glass doors, which play the role of panels, thus showing the integration with landscaping, sunset and free visual environment. 

The garage is a light volume, void, made in Cobogó (Brazilian void block material) and without doors, thus leaving the cars in a relative shelter. 

The entire house have honest material, apparent concrete, glass and “cobogó”

Also, the volumetric solution is clear, the floor is suspended from the ground. The entrance door shows a larger volume, that contrast the front view and inside hide installations of water tank and conditioned air. 

The house is opened to the side, all in glass sliding doors, that allows the user to control the connection with the outside. This house also privileges the thermal comfort, natural lighting, cross ventilation, both clearly identified in the formal solution. 

The pool marks the end of the linear house, is a very small size, just like the family that lives inside the house; a happy couple and a dog.

As for the interior design; the social activities are condensed to one single space; the living room, tv, dinner and kitchens, all connected in one space. The furniture is also signed by Studio Bola, an important name in Brazilian Furniture Design.

In conclusion, it is a very austere, authorial house.